sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Deo gratias!

Quando algo é muito precioso, pouco conseguimos comentar a respeito dele.


"Intolerantes doutrinariamente porque se crê, tolerantes na caridade por que se ama."

Acessem o site e conheçam o mais novo Mosteiro Beneditino, fiel a Santa Igreja, que será fundado pelo Rev. Padre Rafael Arízaga, OSB, na Colômbia, este ano, com as bençãos de S.E.R Mons. Richard Williamson, filho predileto de Mons. Lefebvre.


*

Entrevista do fundador:

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Começa hoje, dia 24!


Novena a Santa Teresinha do Menino Jesus

Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, eu Vos agradeço todos os favores, todas as graças com que enriquecestes a alma de Vossa serva Santa Teresinha do Menino Jesus, durante os 24 anos que passou na terra e, pelos méritos de tão querida Santinha, concedei a graça que ardentemente Vos peço (faça o pedido da graça), se for a Vossa Santíssima vontade e para salvação de minha alma. Ajudai minha fé e minha esperança, ó Santa Teresinha, cumprindo mais uma vez Vossa promessa de que ninguém Vos invocaria em vão, fazendo-me ganhar uma rosa, sinal de que alcançarei a graça pedida.

Um Pai Nosso e três Ave-Marias

Rezam-se em seguida 24 vezes: 

Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo, assim como era no princípio, agora e sempre e por todos os séculos dos séculos, Amém.

Acrescentando a cada vez: Santa Teresinha do Menino Jesus, rogai por nós.


*

“Depois de minha morte, farei cair uma chuva de rosas
que testemunhará o imenso amor de Deus por mim”.


"A maior santa dos tempos modernos." São Pio X

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

LLAMADO A LOS SUPERIORES DE LA FRATERNIDAD SAN PIO X.- R.P. DAVID HEWKO.


"Por amor de su alma, Excelencia, por favor ordene un Capítulo General urgente. Condene las nuevas políticas y compromisos con el Vaticano II y la nueva misa. Regrese a la posición de Monseñor Lefebvre en los puntos mencionados anteriormente, renuncie y permita que un verdadero hijo de Monseñor Lefebvre lo reemplace. Por ejemplo el Padre Faure. Solo esto puede salvar la Fraternidad. De otro modo, la obra de la Tradición continuará pacíficamente, si Dios quiere, en la Resistencia-FSSPX". 



+
M
Septiembre 21, 2013
Fiesta de San Mateo.

LLAMADO A LOS SUPERIORES DE LA FRATERNIDAD SAN PIO X

Excelencia Monseñor Fellay y Superiores de la FSSPX: Frente al Papa que se sienta en la Sede de Pedro, que empuña un mazo como un segundo Goliat, desmantelando y destruyendo lo que queda de las enseñanzas tradicionales de Cristo y Su Misa, su silencio se ha vuelto alarmante y se ha vuelto una cooperación a la extinción de la Religión Católica y la verdadera adoración de Cristo en la faz de la tierra.

Los hijos de la FSSPX han gritado durante 40 años, guiados por Monseñor Lefebvre, quien amó y defendió el honor de su Padre. Ha llegado el tiempo para que las “piedras” en la calle, los más indignos, poco glamorosos, los más despreciados, los menos calificados del mundo, griten. Los que pertenecen a la Resistencia de la FSSPX no pueden estar callados frente al presente liderazgo de la Fraternidad, vergonzosamente callada en la hora más necesaria. Todas nuestras cartas, llamados, las reprimendas filiales han sido contestadas con silencios, moniciones y expulsiones.

Todos los que conocimos a nuestro santo Fundador, Monseñor Lefebvre, recordamos sus cartas a los sacerdotes y fieles, sus sermones que gritaban en contra de las abominaciones de la reunión ecuménica de Asís, los escándalos del Papa en contra de la Fe verdadera y en contra de Nuestro Señor Jesucristo, el verdadero Dios. Todos nosotros recordamos haberlo escuchado, sus palabras eran como rayos de luz en medio de la oscuridad de la moderna apostasía.

Se necesita la voz del valiente Buen Pastor rugiendo, como un segundo David o Sansón, para proteger el rebaño de Cristo de los lobos disfrazados que están adentro. Estos lobos, desgarrando la Fe y la Tradición y arrancando el corazón de aquellos consagrados a Dios con la libertad religiosa, el ecumenismo, la colegialidad, la perniciosa nueva misa y todas las taimadas mentiras para seducir al puñado de comunidades Tradicionales hacia la iglesia conciliar.

El catecismo enseña que hay tiempos cuando el silencio se vuelve gravemente imprudente, insensato e incluso coopera con el pecado y la oscuridad. ¡Ese tiempo es ahora! Desde los púlpitos, sitios web, revistas, artículos etc. de la FSSPX viene un vergonzoso silencio. Un silencio que usa la “libertad de prudencia” como una cloaca de malicia, un silencio equivalente a aquellos que no hacen nada mientras su madre es deshonrada y desolada violentamente por los mismos que se comprometieron y se ordenaron para defender la Madre Iglesia.

La razón de este silencio culpable ahora es conocida en el mundo entero. Está expresado en la Declaración del Capítulo General del 14 de julio de 2012, la cual fue la “Revolución del Vaticano II” dentro del último bastión de la Tradición Católica. En ella, la Fraternidad se ata a las seis condiciones para la normalización canónica. Un acuerdo con quien? ¡Con la iglesia conciliar! El Arzobispo jamás permaneció en silencio sobre los escándalos del Papa y le escribía respetuosamente atacando su ecumenismo y sus pecados en contra de la Fe frente a todo el mundo, e incluso mandó publicar unos dibujos donde Juan Pablo II era excluido de las puertas del cielo por llevar al mundo a creer que los dioses de los gentiles no son demonios, como en Asís.

Ahora el Papa Francisco ha sobrepasado a sus predecesores en escándalos en contra de la Fe por su llamado a la oración por la paz en todas las religiones, celebrando el rito ecuménico en San Pedro, por sus escándalos sin precedente de las JMJ, con la vergonzosa danza de sus obispos quienes, como la sal, han perdido su sabor, se convirtieron en el hazmerreír del mundo, merecedores de ser pisoteados por traición al Verdadero Dios.

Sus declaraciones hechas al paso sobre los ateos, divorciados, sodomitas, el celibato del clero, etc. han engañado a millones de almas llevándolas al error e indudablemente al pecado. Los pecados no parecen “tan malos” ya que de acuerdo a él, incluso los “ateos pueden ir al Cielo”, y “¿quién soy yo para juzgar a los gays?

Dado que las nuevas políticas de la Fraternidad se ajustan a los nuevos principios de compromiso, ahora ha prestado sus manos para erradicar lo que queda de la verdadera Fe y la adoración a Dios de la faz de la tierra gracias a su vergonzoso silencio.

Es inútil pretender que la búsqueda de la “normalización canónica”, el acuerdo, el reconocimiento, la unión con la Roma modernista puede ser agradable a Dios antes de la conversión de Roma a la Tradición. Las seis condiciones en sí mismas traicionan las claras enseñanzas de nuestro Fundador que insistió que nosotros jamás debemos pedir permiso para predicar a Jesucristo, y Jesucristo Crucificado. Que debemos predicar abiertamente en contra de los errores del Vaticano II, y de los prelados que atacan la Fe, porque el mismo Cristo le dio esta orden al primer Papa y Obispos. Monseñor Lefebvre se estremecería de horror al pensar en el indiferentismo sutilmente expresado en las seis condiciones y sin duda condenaría la nueva política del silencio y la expulsión de los sacerdotes que hablan, en contra de una unión falsa con la iglesia conciliar que está destruyendo agresivamente la Fe y la Misa de todos los tiempos.

¿Aprobaría él que usted llame a la nueva misa “legítima” o “legítimamente promulgada (lo que es lo mismo)?

¿Aprobaría él sus declaraciones de que el concilio “no es la causa de los errores”, que la libertad religiosa es “muy, muy limitada”, que el 95% del concilio es aceptable, que las enseñanzas del Vaticano II “iluminan” y “profundizan” la Tradición Católica?

¿Aprobaría el Fundador su Declaración Doctrinal del 15 de abril de 2012, la cual socava todo por lo que él luchó para salvar la Fe?

¿Aprobaría la aceptación del Nuevo Código Canónico sin las claras distinciones que él especificó? 

¿Aprobaría la Prelatura personal de la Fraternidad que se somete a las autoridades romanas actuales a quienes llamó “hombres deshonestos” que  buscan quitar a Cristo de la sociedad? Han sido olvidadas sus enseñanzas cuando dijo “Puesto que la Sede de Pedro y los puestos de autoridad de Roma están ocupados por anticristos, la destrucción del Reinado de Nuestro Señor prosigue rápidamente dentro de su Cuerpo Místico en esta tierra”… “Esto nos ha valido la persecución de la Roma anticristo. Puesto que esta Roma, modernista y liberal, prosigue su obra destructora del Reinado de Nuestro Señor, como lo prueban Asís y la confirmación de las tesis liberales del Vaticano II sobre la libertad religiosa…” (Monseñor Lefebvre, Carta a los Futuros Obispos, 29 de agosto de 1987)

¿Reconocería Monseñor Lefebvre su Fraternidad actualmente cuando su líder dice: “El Vaticano II ya no está en la cabeza de la gente… cada vez menos creen en él”? ¿o cuando dice: “Hemos observado un cambio de actitud en la Iglesia… hacia la Fraternidad”, o “dentro de la Fraternidad, algunos (como Monseñor Lefebvre) están haciendo de los errores conciliares súper-herejías”… o “la situación actual en abril de 2012 es muy diferente a la de 1988”? ¿Qué habiendo dicho y firmado todas estas declaraciones ambiguas, compromisos y decisiones, ninguna de ellas ha sido condenada o rechazada? Ninguna de ellas, ni clara ni públicamente.

¿Monseñor Lefebvre hubiera visto favorablemente la expulsión de un obispo que él mismo envió como rector del Seminario en Estados Unidos y que estando plenamente consciente de sus “puntos de vista impopulares” lo escogió personalmente para ser uno de sus obispos?

Excelencia, los graves peligros contra la Fe en donde usted colocó a sus sacerdotes y fieles aceptando lo que usted mismo condenó hace 11 años, demandan una respuesta de sus subordinados. Las palabras del Arzobispo todavía resuenan, siempre  verdaderas: “no son los subordinados que forman a los superiores, sino los superiores que forman a los subordinados”.

Ahora que su posición es más clara, como usted lo expresó al Papa Benedicto XVI, “yo me comprometí en esta perspectiva… y tengo toda la intención de continuar haciendo todos mis esfuerzos para proseguir por este camino” sabiendo además que Roma no se ha convertido a la Tradición, exige la Resistencia a su audacia.

Desde el concilio Vaticano II, tenemos el derecho de resistir a los Papas y desobedecerlos por los peligrosos errores en la Fe, ahora cada vez más gente se está dando cuenta que usted nos fuerza a hacer lo mismo por la nueva dirección que usted está llevando a la Fraternidad, la aceptación de la legitimidad de la nueva misa, el nuevo código, el Vaticano II a la luz de la Tradición, etc. ¡Esto jamás se había visto en toda la historia de la FSSPX!

Ya que usted es sordo a nuestros llamados y rechaza en condenar sus declaraciones y persiste castigando a cualquiera que advierta a los fieles o a usted, obliga a los sacerdotes de la Resistencia en todo el mundo hacer lo que usted no hace. Nos obliga a continuar la obra de Monseñor Lefebvre que no es otra que la obra de la Iglesia Católica “sin amargura y sin compromisos”. 

Las palabras de Nuestra Señora de Quito, Ecuador parecen tan tremendamente ciertas, que la “Iglesia estará llena de aquellos que aceptan el compromiso”, cuando necesitamos ser los que gritan, luchan y combaten abiertamente contra las maldades de la Roma conciliar que llevan muchas almas hacia la apostasía y al fuego del infierno. ¡La gloria de Cristo Rey lo demanda! ¡El bien común de la Iglesia lo demanda!

Por amor de su alma, Excelencia, por favor ordene un Capítulo General urgente. Condene las nuevas políticas y compromisos con el Vaticano II y la nueva misa. Regrese a la posición de Monseñor Lefebvre en los puntos mencionados anteriormente, renuncie y permita que un verdadero hijo de Monseñor Lefebvre lo reemplace. Por ejemplo el Padre Faure. Solo esto puede salvar la Fraternidad. De otro modo, la obra de la Tradición continuará pacíficamente, si Dios quiere, en la Resistencia-FSSPX. 

“Si los hijos no gritan, las mismas piedras en la calle lo harán”.

¡La Fe puede ser comprometida y traicionada por el hombre, pero el Verdadero Dios no muere!

VIVA CRISTO REY!

¡Inmaculado Corazón de María, acelera Tu hora de la victoria!

Sinceramente en Cristo Rey:


Padre David Hewko

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

O Santo Sacrifício da Missa

Locais de Santa Missa no Brasil

Mosteiro da Santa Cruz - Monges Beneditinos - Nova Friburgo/RJ.

Mosteiro Nossa Senhora da Fé e do Rosário - FBMV

Convento das Irmãs Escravas de Maria Rainha da Paz - Campo Grande/MS

Grupo São Domingos de Gusmão - Maringá/PR

Grupo Dom Bosco - Foz do Iguaçu/PR

Fiéis Católicos de Londrina/PR

Fiéis Católicos de Recife/Pernambuco
Para contato: cbrmonica@gmail.com

Capela Nossa Senhora das Alegrias - Vitória/ES

Apostolado Nossa Senhora do Rosário de Fátima - Teixeira de Freitas/BA

Grupo Santo Tomás de Aquino - Anagé/BA 

*


Estudo Completo sobre a Santa Missa - Venerável Padre Martinho de Cochem


terça-feira, 10 de setembro de 2013

São José, vos pertencemos!

Nesta Quarta-Feira dia 11 de setembro, nos visitará o Reverendíssimo Padre Dom Rafael Arízaga, OSB. Ele promove um excelente apostolado josefino e virá nos pregar sobre nosso Pai São José e consagrar a nós e a nossa capela ao pai adotivo de Jesus.

O Filho de Deus foi confiado aos cuidados de São José, sejamos também nós confiados a este pai amoroso.

Santa Missa às 20h, logo após haverá a Consagração.




Uma iniciativa conjunta Central de Cursos Contemplatio

Por uma Filosofia Tomista
Curso on-line de 60 horas ministrado por
Carlos Nougué


 “A felicidade última do homem está na contemplação da Verdade.”
Santo Tomás de Aquino

[Comunicado 2]

PERÍODO DE INSCRIÇÕES

As inscrições ou subscrições para o curso Por uma Filosofia Tomista se iniciarão no dia 18 de setembro e se estenderão até o dia 10 de outubro.
Observação 1: Todos os demais dados, como o valor da subscrição, estão mantidos como se veem no Comunicado 1.
Observação 2: Dar-se-á, no entanto, um desconto especial aos alunos do antigo curso de História da Filosofia “Do Impulso Grego ao Abismo Moderno”. Estes alunos receberão, a par deste, um comunicado especial.
Observação 3: Como dito no Comunicado 1, todos os vídeos-aula de Por uma Filosofia Tomista estarão gravados antes do início do Curso, mas só se postarão no site dois por semana, por óbvias razões didáticas. Permanecerão todos no site até cinco meses depois do início do Curso. (Informar-se-á oportunamente o endereço do site.)

o vídeo postado neste comunicado 2

Como um interessado no curso nos escreveu perguntando-nos se seria possível acompanhá-lo sem maiores leituras e conhecimentos prévios, gravamos em resposta o vídeoÉ Possível Penetrar a Filosofia Tomista? Como Começar a Compreendê-la (http://youtu.be/bVk0Jwy1AeE ).

Observação: Todos os nossos vídeos antigos bem como os prévios ao curso Por uma Filosofia Tomista estão ou serão publicados em nosso próprio canal do YouTube. Lá já estão os dois primeiros vídeos de Apresentação do curso Por uma Filosofia Tomista e um sobrePlatão e a Arte. Para inscrever-se em nosso canal do YouTube, basta clicar justamente no botão “inscrever-se”, logo abaixo de qualquer de nossos vídeos.

Observação geral: Para se resolverem quaisquer dúvidas, escreva-se paracursos@carlosnougue.com.br.   
___________
Uma iniciativa conjunta
Central de Cursos Contemplatio

Associação Cultural Santo Tomás

domingo, 8 de setembro de 2013

Algumas fotos da "Quarant'ore" pela França

"É preciso fazer Jesus Eucarístico sair de Seu retiro para pôr-Se de novo à testa da sociedade cristã que há de dirigir e salvar. É preciso construir-Lhe um palácio, um trono, rodeá-Lo de uma corte de fiéis servidores, de uma família de amigos, de um povo de adoradores".

São Pedro Julião Eymard


Diante dEle todo joelho se dobre, no céu, na terra e nos infernos!
Reine ó Jesus! Exerça vosso reinado absoluto nesta Capela!










O Ofício da Imaculada Conceição cantado por algumas moças
 e senhoras nas vésperas da festa da Natividade de Maria Santíssima! Viva a Conceição Imaculada!



Momento de adoração das crianças do catecismo





A mais bela flor de nosso jardim!











Conferências com nosso diretor Dom Tomás de Aquino


E eis o nosso Rei! Nosso Senhor! Nosso amor! Nosso soberano! Nosso tudo!






  Queremos agradecer a todos os benfeitores que colaboraram para que Nosso Senhor fosse mais honrado e servido em nosso altar! As quarenta horas foram momentos de muita graça de Deus! Agradecemos também aos nossos irmãos das diversas partes do Brasil que vieram para o recolhimento conosco: Rio, Bahia e São Paulo!


terça-feira, 3 de setembro de 2013

Festa de São Pio X

Festa de São Pio X

São Pio X (em italiano: Pio X, latim eclesiástico: Pius PP. X), OFS, nascido Giuseppe Melchiorre Sarto; Riese, 2 de Junho de 1835 — Roma, 20 de Agosto de 1914), foi o 257.º Papa. O seu pontificado decorreu de 4 de agosto de 1903 até à data da sua morte. Ficou conhecido como o "Papa da Eucaristia" e foi o primeiro Papa a ser canonizado desde Pio V (1566–72). Era o segundo de dez filhos de uma família rural da província de Treviso. Ordenado em 1858, estudou direito canônico e a obra de São Tomás de Aquino. Em 10 de Novembro de 1884 foi elevado a Bispo de Mântua, e em 1896 a Patriarca de Veneza sendo eleito Papa em 4 de Agosto de 1903 com 55 dos 60 votos possíveis no conclave. O seu lema era "Renovar todas as coisas em Cristo", expresso na sua encíclica E Supremi Apostolatus.[1] Por esta razão, foi um defensor intransigente da ortodoxia doutrinária e governou a Igreja Católica com mão firme numa época em que esta enfrentava um laicismo muito forte e diversas tendências do modernismo, encarado por ele como a síntese de todas as heresias nos campos dos estudos bíblicos e teologia. São Pio X introduziu grandes reformas na liturgia e codificou a Doutrina da Igreja Católica, sempre num sentido tradicional e facilitou a participação popular na Eucaristia. Foi um Papa pastoral, encorajando estilos de vida que refletissem os valores cristãos. Permitiu a prática da comunhão eucarística frequente e fomentou o acesso das crianças à Eucaristia quando da chegada à chamada idade da razão. Promoveu ainda o estudo do canto gregoriano e do catecismo (ele próprio foi autor de um catecismo, designado por Catecismo de São Pio X). Criou a Pontifícia Comissão Bíblica e colocou as bases do Código de Direito Canônico, promulgado em 1917 após a sua morte. Publicou 16 encíclicas. Pascendi Dominici Gregis é uma encíclica papal promulgada pelo Papa Pio X em setembro de 1907. Seu subtítulo diz: Carta Encíclica do Papa Pio X sobre os erros do modernismo. O Documento, assim, condena o modernismo católico, considerado uma "síntese de todas as heresias", com sua junção de evolucionismo, relativismo, cripto-marxismo, cientificismo e psicologismo. Como consequência da Encíclica, o papa formulou o "juramento anti-modernista", obrigatório para todos os padres, bispos e catequistas. Curiosamente, tal juramento só foi abolido em 1967, pelo Papa Paulo VI. Este fato levou ver as profecias de Salete e Fátima acontecer pois outrora se combatia modernismo e partir daquele momento tornou-se na doutrina subjacente da "nova Igreja". Um dos mais influentes filósofos modernistas foi Teilhard de Chardin, que pretendia reunir catolicismo com darwinismo e marxismo (Isto é um fato pois no seminário do mundo se vê isso em prática é perguntar a qualquer seminarista). Este documento como evidência do aviso de Fátima de que a Igreja Católica passaria por uma crise de fé. Os papas anteriores ao Concílio Vaticano II já estavam atentos para a infiltração de inimigos da Tradição no seio da instituição. O Papa Paulo VI não fez o juramento por ser um modernista, confirmando Nossa Senhora de Fátima que os erros começariam pelo topo.


Juramento anti-modernista elaborado por São Pio X

Eu, ______________, firmemente abraço e aceito cada uma e todas as definições feitas e declaradas pela autoridade inerente da Igreja, especialmente estas verdades principais que são diretamente opostas aos erros deste dia. Antes de mais nada eu professo que Deus, a origem e fim de todas as coisas, pode ser conhecido com certeza pela luz natural da razão a partir do mundo criado (Cf Rom. 1,90), ou seja, dos trabalhos visíveis da Criação, como uma causa a partir de seus efeitos, e que, portanto, Sua existência também pode ser demonstrada. Segundo: eu aceito e reconheço as provas exteriores da revelação, ou seja, os atos divinos e especialmente os milagres e profecias como os sinais mais seguros da origem divina da Religião cristã e considero estas mesmas provas bem adaptadas à compreensão de todas as eras e de todos os homens, até mesmo os de agora. Terceiro, eu acredito com fé igualmente firme que a Igreja, Guardiã e mestra da Palavra Revelada, foi instituída pessoalmente pelo Cristo histórico e real quando Ele viveu entre nós, e que a Igreja foi construída sobre Pedro, o príncipe da hierarquia apostólica, e seus sucessores pela duração dos tempos. Quarto: eu sinceramente mantenho que a Doutrina da Fé nos foi trazida desde os Apóstolos pelos Padres ortodoxos com exatamente o mesmo significado e sempre com o mesmo propósito. Assim sendo, eu rejeito inteiramente a falsa representação herética de que os dogmas evoluem e se modificam de um significado para outro diferente do que a Igreja antes manteve. Condeno também todo erro segundo o qual, no lugar do divino Depósito que foi confiado à esposa de Cristo para que ela o guardasse, há apenas uma invenção filosófica ou produto de consciência humana que foi gradualmente desenvolvida pelo esforço humano e continuará a se desenvolver indefinidamente. Quinto: eu mantenho com certeza e confesso sinceramente que a Fé não é um sentimento cego de religião que se alevanta das profundezas do subconsciente pelo impulso do coração e pela moção da vontade treinada para a moralidade, mas um genuíno assentimento da inteligência com a Verdade recebida oralmente de uma fonte externa. Por este assentimento, devido à autoridade do Deus supremamente verdadeiro, acreditamos ser Verdade o que foi revelado e atestado por um Deus pessoal, nosso Criador e Senhor. Além disso, com a devida reverência, eu me submeto e adiro com todo o meu coração às condenações, declarações e todas as proibições contidas na encíclica Pascendi e no decreto Lamentabili, especialmente as que dizem respeito ao que é conhecido como a história dos dogmas. Também rejeito o erro daqueles que dizem que a Fé mantida pela Igreja pode contradizer a história, e que os dogmas católicos, no sentido em que são agora entendidos, são irreconciliáveis com uma visão mais realista das origens da Religião cristã. Também condeno e rejeito a opinião dos que dizem que um cristão erudito assume uma dupla personalidade - a de um crente e ao mesmo tempo a de um historiador, como se fosse permissível a um historiador manter coisas que contradizem a Fé do crente, ou estabelecer premissas que, desde que não haja negação direta dos dogmas, levariam à conclusão de que os dogmas são falsos ou duvidosos. Do mesmo modo, eu rejeito o método de julgar e interpretar a Sagrada Escritura que, afastando-se da Tradição da Igreja, da analogia da Fé e das normas da Sé Apostólica, abraça as falsas representações dos racionalistas e sem prudência ou restrição adota a crítica textual como norma única e suprema. Além disso, eu rejeito a opinião dos que mantém que um professor ensinando ou escrevendo sobre um assunto histórico-teológico deve antes colocar de lado qualquer opinião preconcebida sobre a origem sobrenatural da Tradição católica ou a promessa divina de ajudar a preservar para sempre toda a Verdade Revelada; e que ele deveria então interpretar os escritos dos Padres apenas por princípios científicos, excluindo toda autoridade sagrada, e com a mesma liberdade de julgamento que é comum na investigação de todos os documentos históricos profanos. Finalmente, declaro que sou completamente oposto ao erro dos modernistas, que mantém nada haver de divino na Tradição sagrada; ou, o que é muito pior, dizer que há, mas em um sentido panteísta, com o resultado de nada restar a não ser este fato simples - a colocar no mesmo plano com os fatos comuns da história - o fato, precisamente, de que um grupo de homens, por seu próprio trabalho, talento e qualidades continuaram ao longo dos tempos subsequentes uma escola iniciada por Cristo e por Seus Apóstolos. Prometo que manterei todos estes artigos fielmente, inteiramente e sinceramente e os guardarei invioladas, sem me desviar em nenhuma maneira por palavras ou por escrito. Isto eu prometo, assim eu juro, para isso Deus me ajude, e os Santos Evangelhos de Deus que agora toco com minha mão. (São Pio X, Papa)

Retirado anteriormente de: escravasdemaria.blogspot.com.br


segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Curso online, inscreva-se!


Por uma Filosofia Tomista
Curso on-line de 60 horas ministrado por Carlos Nougué

Comunicado 1
“A felicidade última do homem está na contemplação da Verdade.”
Santo Tomás de Aquino

Em meados de outubro deste ano, estará disponível em site próprio o Cursoon-line Por uma Filosofia Tomista, de 60 horas (o equivalente a um curso de extensão universitária).

DADOS GERAIS DO CURSO

1) O Curso se dividirá em 30 vídeos-aula de 2 horas cada uma.

2) Todos os vídeos-aula estarão gravados antes do início do Curso, mas só se postarão no site dois por semana, por óbvias razões didáticas. Permanecerão todos no site até cinco meses depois do início do Curso. (Informar-se-á oportunamente o endereço dosite.)

3) Haverá, ademais, ao longo dos mesmos cinco meses, vídeos-aula extras, de duração variada, com a resolução das dúvidas enviadas pelos alunos ao e-mailcursos@carlosnougue.com.br. (É também a este e-mail que se deve escrever para solucionar quaisquer outras dúvidas relativas ao Curso. Neste caso, responderá nosso responsável operacional: Marcel Assunção Barboza.)

4) Os vídeos estarão em nosso site em duas versões: uma de alta resolução; a outra de resolução um pouco inferior, para os alunos cujo computador não suporte a primeira.  

5) Na seção Material de Estudos do site, fornecer-se-ão também textos, outros vídeos e bibliografia.  

6) O Curso fornecerá certificado (particular) ao fim dos cinco meses.

EMENTA DO CURSO

I) Apresentação geral: A necessidade de uma Filosofia tomista.

II) Preâmbulo 1: Resumo da História da Filosofia – Do impulso grego ao abismo moderno.

III) Preâmbulo 2: Se Santo Tomás era filósofo e/ou teólogo.

IV) Preâmbulo 3: A essência da doutrina de Santo Tomás, ou se o tomismo é um aristotelismo.

V) Preâmbulo 4: Como estudar a Filosofia, e em ordem a quê.

VI) Introdução geral à Filosofia, ou seja, a seus conceitos elementares (já aqui se implicam noções da Lógica, da Física e da Metafísica):

1) O que é conhecer 2) O ente e os primeiros princípios; 3) A quididade das coisas; 4) O essencial e o acidental; 5) Substância e acidentes; 6) A questão do an sit; 7) Ente e esse (ser ou ato de ser); esse e existência – uma primeira aproximação; 8) Divisão e definição; 9) Se os acidentes são entes e têm quididade; 10) Se as coisas artificiais têm quididade.

VII) Introdução à Lógica:

1) A simples apreensão; 2) As propriedades das coisas; 3) O juízo ou composição; 4) As causas; 5) O silogismo; 6) Em defesa da Lógica; 7) Se a Lógica é arte ou ciência; 8) As propriedades da Lógica; 9) O método da Lógica; 10) Lógica e Gramática.

VIII) Intermédio: A ordem das ciências e das artes.

IX) Introdução à Física geral:

1) O que é a natureza; 2) Os princípios da natureza: ato e potência, etc.; 3) O sujeito da Física Geral; 4) Existência e esse – segunda aproximação; 5) Em defesa da Física Geral aristotélico-tomista; 6) Se e em que caducou esta ciência; 7) O método da Física Geral; 8) Que classe de ciência é a Física moderna; 9) O que pensar da Biologia, da Psicologia, etc., atuais; 10) Uma crítica a Jacques Maritain.

X) Introdução à Metafísica:

1) Se tal ciência existe ou é válida ou necessária; 2) O sujeito da Metafísica; 3) Ente eesse – segunda aproximação; 4) As propriedades da Metafísica; 5) O método da Metafísica; 6) Diferença entre Teologia (ou Metafísica) e Sacra Teologia, e se elas se opõem; 7) As provas da existência de Deus; 8) O tratado de Deus uno.

XI) Apêndices:                                                                               

1) Os transcendentais; 2) Se o mal é algo; 3) A alma humana e sua imortalidade; 4) A Política e sua ordem ao Fim último do homem; 5) O mundo poderia ter sido criado ab aeterno (desde a eternidade)?

CURRÍCULO DE CARLOS NOUGUÉ

I) Dados pessoais:
Nome: Carlos (Augusto Ancêde) Nougué;
Nacionalidade: brasileira;
Idade: 61 anos.

II) Qualificações profissionais:

1) Professor de Filosofia por diversos lugares;

2) Professor de Tradução e de Língua Portuguesa em nível de Pós-graduação (UGF);

3) Tradutor de Filosofia, Teologia e Literatura (do francês, do latim, do espanhol e do inglês);

4) Lexicógrafo.

III) Prêmio e indicações para prêmio:

• Prêmio Jabuti de Tradução/1993;

• Indicação ao Prêmio Jabuti/1998;

• Finalista do Prêmio Jabuti/2005 pela tradução de D. Quixote da Mancha, de Miguel de Cervantes (edição oficial do Quarto Centenário da edição princeps).

IV) Responsável pelos seguintes blogs:



SUBSCRIÇÃO PARA O CURSO

1) Valor total:

a) ou R$ 300,00 em até 6 parcelas sem juros no cartão de crédito;

b) ou R$ 280,16 por pagamento à vista mediante débito on-line ou boleto bancário. Observação: Ambas as formas de pagamento se farão, em nosso próprio site, mediante o PagSeguro.

2) Ao pagarem, os alunos-subscritores receberão automaticamente uma senha de acesso aos vídeos-aula (regulares e extras) e ao material de estudo.

3) O período de subscrição começará entre três a duas semanas antes do início do Curso.  Observação geral 1: Até o fim de setembro próximo, informar-se-á a data efetiva do início do Curso. Observação geral 2: Até o início do Curso, enviar-se-á semanalmente novo comunicado à mesma mailing list.
___________

> Vejam-se o Vídeo de Apresentação do Curso (http://youtu.be/0IETeM0vu0c) e, anexo, o texto “Contradiz-se Santo Tomás ao afirmar que uma Criação ab aeterno não repugna à razão?”, ambos por Carlos Nougué.

__________

Uma iniciativa conjunta
Central de Cursos Contemplatio
Associação Cultural Santo Tomás